02/01/2017
Águas Traiçoeiras

O seguinte artigo foi publicado na revista Captem a Visão da primavera de 2010.

“E somente pensem agora, todos temos, a vida toda, temido atravessar essa água perigosa aqui. Mas, lembrem-se, o Próprio que sabemos ser o Criador, está deitado bem aí no barco, conosco. Eu me sinto bem! Vocês não, rapazes?” Eles diziam: “Amém. Sim, senhor. Aí está Ele no barco!”

E o que é saber em que dia estamos vivendo, que eles tinham visto a identificação, que, e ficaram satisfeitos, não importa o que qualquer outra pessoa tenha dito. A discussão deles tinha sido sobre crentes, e crentes manufaturados, e assim por diante. Mas eles próprios criam Nisso. E sabiam que O tinham consigo. Independente de qualquer das demais pessoas, eles estavam felizes em tê-Lo.

Eu também estou. Você não? Não importa o que o resto do mundo diga. Estou feliz em saber que Ele está velejando pelos mares conturbados da vida comigo, exatamente no barco. Amém. Amém. Velejando pelos solenes mares da vida, como Ele faz, e em todas as águas traiçoeiras, não sabendo em que tempo você poderia ser baleado, morto, cair morto, o que quer que possa acontecer.

63-1130e Ide Despertar Jesus

Sou seu irmão no Senhor, Gindo Malukelo Leon, pastor da igreja cristã de Mobeka, às margens do rio Congo. Gostaria de lhes contar meu testemunho de como o Senhor nos protegeu enquanto trabalhávamos para estabelecer a primeira biblioteca do profeta em meu vilarejo.

Fui convidado pelo Pastor Manze (Bibliotecário da Gravações “A Voz de Deus” e pastor em Lisala) a viajar a Lisala e pegar um carregamento de livros e fitas da Mensagem para estabelecer um sub-centro da GVD em Mobeka. É um pequeno vilarejo, mas há muitos crentes nessa região, e muitos que ainda têm de ouvir o profeta. Uma biblioteca, onde as pessoas pudessem receber a Mensagem, era muito necessária para o povo.

Viajar para o escritório da GVD é uma tarefa perigosa e difícil, porque a única maneira de se chegar a Lisala a partir da nossa cidade é remando 213 km em canoa cortada de um só tronco pelo rio Congo. Estávamos em tempo de guerra, o que tornava a viagem ainda mais perigosa. O Senhor nos protegeu, e depois de muitas horas na canoa, o pastor Manze finalmente deu as boas-vindas a Lisala aos meus quatro companheiros de remo.

Decidimos ficar no domingo e retornar a Mobeka na manhã da segunda-feira seguinte. Durante o culto da manhã de domingo na igreja do pastor Manze, uma mensagem profética foi dada pelo Espírito Santo sobre o nosso retorno. O irmão disse que tínhamos de receber oração, porque o diabo tinha colocado armadilhas em nosso caminho de volta. O pastor Manze e o pastor assistente oraram por nós.

Na manhã da segunda-feira, embarcamos nossas 18 caixas de material em nossa canoa, incluindo 16 caixas de livros da Mensagem em francês e 2 caixas de fitas. Nós então começamos nossa viagem de volta a Mobeka. Remamos durante todo o dia em nossa viagem de volta para casa.

Por volta das 7:30 da noite, a uma distância de cerca de 100 km de Lisala, vimo-nos rodeados por um bando de piratas. Eles também estavam em canoas de tronco, e estavam armados com lanças e facões. Eles achavam que nossas caixas estavam cheias de objetos de valor ou dinheiro.

Quando estavam quase chegando a nós, de repente, hipopótamos emergiram da água e começaram a virar e afundar suas canoas. Outros piratas continuaram nos perseguindo, porque havia muitos deles. Os hipopótamos continuaram seu ataque, e viraram mais de suas canoas.

Vendo que os hipopótamos tinham causado tais danos, os piratas restantes desistiram da perseguição e voltaram para tentar ajudar seus companheiros. Enquanto isso, ficamos livres para escapar escuridão adentro. Pudemos levar nossa carga pelo resto do caminho até Mobeka, onde foi distribuída às igrejas em nossa região. Agradecemos a Deus, nosso Senhor Jesus Cristo, por ter dado a profecia do que iria acontecer, e nos protegido.

Irmão Gindo Malukelo
Bibliotecário da GVD e pastor da igreja cristã em Mobeka

 

Envie para um Amigo

Enviar