05/10/2017
Fé Como de Criança

Assim, está vendo, é tão somente uma fé simples; não é nada ou qualquer coisa que nos esforçamos para fazer; é simplesmente algo em que cremos como uma criança creria, simplesmente como se você prometesse à sua filhinha um novo vestido no sábado, ou ao filhinho uma jaqueta. Está vendo? Eles esperam isso. A fé simples de uma criança. Isso é tudo que Deus quer que sejamos, porque afinal somos apenas crianças.

61-0517 Sou Eu

O dicionário Webster descreve "como de criança" por “tornar-se criança; marcado pela inocência, confiança, e ingenuidade.”

Para Jesus, não houve melhor maneira de ilustrar a graça imerecida e gratuita de Deus do que apontar para uma criança. Ao contrário de muitos adultos, as crianças são geralmente de uma simplicidade absoluta quando recebem um presente. Para eles, é tão simples quanto: “Mamãe (ou papai), a senhora prometeu e estou esperando o que a senhora me disse.”

Quando li o testemunho de Suzanna sobre o pintinho, me fez lembrar a experiência que tive com minha netinha, Andrea, quando compramos sete pintinhos, cerca de uns quatro ou cinco anos atrás.

Na manhã seguinte, fui logo cedo verificar se estavam bem, e um deles tinha morrido. Parecia como se tivesse morrido há algum tempo, estava mole e estirado.

Então ela saiu comigo, muito chateada porque “Florzinha de Maçã” tinha morrido. Disse a ela que teríamos de enterrá-lo, mas ela disse: “Não, temos de orar por ele.”

Assim, oramos, mas ainda continuou lá estirado durante as quatro horas depois. Por várias vezes disse a ela que deveria ser a vontade de Deus para o pintinho que ele se fosse agora, e que deveríamos enterrá-lo. E cada vez que eu dizia isso, a perninha dele mexia e ela dizia: “Não, ele mexeu, não podemos enterrá-lo.” Isto aconteceu umas quatro ou cinco vezes, mas ainda continuava mole e sem sinal de pulsação. Meu marido disse a ela que a levaria para comprar outro, porque não podíamos ter seis (não era um bom número).

Antes de sair, ela pegou uma caixinha, colocou dentro algumas lasquinhas de madeira, água e ração, e o colocou ali. Eles saíram para comprar o outro enquanto eu cuidava deste. Ele estava deitado com a cabeça bem para trás assim, então eu o empurrei um pouquinho (de modo que ficasse mais confortável) e ele se levantou! Dentro de cinco minutos ele estava comendo, bebendo e piando! E isto depois de ficar ESTIRADO durante quatro horas, tão morto quanto podia estar!

Então, quando ela chegou em casa com o número oito, ela disse: “Não falei que ele ia ficar bom!”

Todos precisamos dessa fé como de criança.

Com gratidão a Ele,

Irmã Mary Walker

Envie para um Amigo

Enviar