21/01/2019
Mama Esther

Cada filho de Deus tem uma história especial de como conheceu o Senhor e uma marca que deixa na história. Às vezes nossa marca pode parecer tão tênue enquanto vivemos e não se destacar entre as bilhões de pessoas que caminham pela terra hoje. No entanto, Deus nos vê de maneira diferente do mundo.

Recebemos este testemunho como um presente memorial ao nosso trabalho missionário. O presente foi em honra a uma pobre senhora queniana chamada Mama Esther, cuja vida passou despercebida para quase todos os de fora de sua pequena e humilde comunidade. Mas Deus a notou e agora o testemunho dela será um incentivo para milhares de crentes ao redor do mundo.

Eis a história dela.

Mama Esther é a mãe do meu marido. Ela nasceu em 1924 na aldeia Kaimosi na parte oeste do Quênia. Os pais dela eram professores cristãos, pregadores missionários e evangelistas que deslocavam-se entre o Quênia e a Tanzânia, pregando o Evangelho. Eles sabiam ler e escrever, mas Esther era a primeira filha deles e não sabia ler, escrever ou fazer cálculos, apesar dos esforços deles para ensiná-la.

Ela memorizava e recitava muitos versículos da Bíblia e cantava muitas canções cristãs no idioma dela: maragoli. Orava por longo período, das 3 h às 6 h da manhã, e tinha o dom de falar em línguas. Vou citar o que ela me contou sobre os pais dela: “Quando Baba e Mama viram que eu não conseguia ler nem escrever, me deram uma enxada. E me ensinaram a cavar e cultivar alimentos para viver”. Mama Esther parou de cavar e cortar lenha com machado aos 93 anos quando começou a adoecer. Ela ainda andava ao redor da propriedade e dizia aos netos para plantarem quando ela não conseguia.

Mama Esther foi abençoada com quatro filhos que se tornaram adultos. Ela os ensinou a cavar, cantar, orar e recitar versículos da Bíblia. Ela os levou para a escola. Instruiu-os a dizer a verdade a todo custo. Ensinou a respeitar a todos, jovens ou velhos, a nunca brigar, e a ajudar os outros. Incentivou a compartilhar o que tinham, apesar de serem pobres e necessitados. Ela mesma viveu uma vida de doação e compartilhava tudo, qualquer coisa.

Um exemplo foi quando construí para ela uma casa maior com telhado de chapa metálica. Certa vez, cheguei em casa e descobri que a casa havia sumido, porque ela havia chamado pessoas para desmontá-la e construir outras três pequenas, de modo que cada uma delas tivesse um telhado. Ela plantava e colhia muitos alimentos, mas dois meses após a colheita, não sobrava nada porque ela compartilhava tudo. As pessoas se aproveitavam dela todos os anos, mas parece que ela nunca percebeu ou mudou.

Mama Esther me ajudou a criar um bebê de 24 horas (Naomi) quando a esposa do meu irmão morreu após o parto. Quando ela soube que a mãe estava morta e que a minha mãe também já tinha morrido há muito tempo, ela interveio e cuidou desse pequeno ser, que agora é uma moça. Eu era professora e mãe de três filhos, e o irmão Tom (meu marido) estava nos EUA. Este foi o único ano em que ela não fez o que gostava de fazer (cavar), mas foi morar comigo em uma pequena aldeia e cuidar da Naomi enquanto eu estava na escola. Ela era uma mãe e não uma sogra para mim.

A última e mais importante coisa que quero que saibam sobre Mama Esther é a salvação dela. Ela se opôs quando meu marido introduziu a Mensagem da hora em casa e começou a batizar pessoas na aldeia, incluindo os próprios membros da igreja dela, na qual ela tinha uma posição de liderança. Ela lutou e orou muito para acabar com a Mensagem do irmão Branham, mas foi em vão. Ela disse a todos que ouviu uma voz que lhe disse para ser batizada sob a Bandeira (a igreja do Exército da Salvação), e a menos que ela ouvisse a mesma voz, ela nunca mudaria ou acreditaria em qualquer outra coisa. Esta foi a posição dela durante 10 anos.

Porém, no dia 1º de janeiro de 1985, ela nos visitou durante as férias, e durante a vigília do ano novo à meia-noite, ela começou uma oração longa e a falar em línguas. À 1 h da manhã, ela teve uma revelação. Ela anunciou que a “Voz” ordenou: “Vá para a água agora e seja batizada em Nome do Senhor Jesus Cristo”.

Meu marido tentou convencê-la a esperar até a luz do dia, porque era muito perigoso sair à noite na cidade, mas ela ficou tão agitada e não conseguimos acalmá-la. Às 5 h da manhã meu marido saiu para buscar o irmão mais próximo, que morava a 32 km em uma aldeia. Às 7 h da manhã meu marido imergiu a mãe dele em um rio de água muito fria e batizou-a em Nome do Senhor Jesus Cristo, e ela ficou cheia do Espírito Santo naquele momento. Durante 24 horas, o Espírito de Deus pairou em volta da casa e pôde ser sentido por todos que chegavam.

A vida cristã de Mama Esther era um mistério. Como disse antes, ela não lia nem escrevia, e também não entendia inglês. Após receber o batismo, ela gostava de ouvir as fitas do irmão Branham em inglês, sem tradução.

Quando meu marido foi para os EUA em 1987 e ficamos juntas, ela sempre me pedia para tocar a Mensagem à noite. Certa vez, perguntei a Mama Esther se ela entendia o que o profeta estava pregando. Ela disse que entendia tudo, porque era a “Voz de Deus”. Perguntei-lhe como sabia que era a Voz de Deus e ela disse: “Eu sei porque é a mesma Voz que me mandou entrar na água e ser batizada enquanto estava em sua casa”.

Desde então, Mama Esther sentava-se com a cabeça abaixada enquanto ouvia a Mensagem do profeta irmão Branham, e ninguém questionava se ela estava entendendo porque: “Esta é a mesma Voz que me mandou ser batizada na água”.

Todo mundo sentirá falta da Mama Esther na igreja, porque ela sempre chegava primeiro e sentava-se em seu tapete durante o culto sem dizer uma única palavra. A maioria das músicas era cantada em inglês ou em swahili, idiomas que ela não falava, mas nunca perdeu um único culto. Ela cantava, recitava versos da Bíblia e orava na casa dela.

Ela era uma pessoa especial e criou uma pessoa especial: meu irmão e marido Tom Wamalwa. Ele está tendo dificuldades na recuperação de um derrame, mas gostaria de ter ido ao Quênia para baixar a mãe no ventre da terra, como quando a baixou na água para conquistar a Vida Eterna.

Que Deus os abençoe.

Irmã Catherine Wamalwa

Pensilvânia

Envie para um Amigo

Enviar