26/02/2020
A Pedra de Coroa É o Amor

Portanto, a grande coisa que buscamos para qualquer reavivamento é primeiro trazer almas perdidas a Cristo; reavivar a igreja de volta a uma condição espiritual na qual deveria estar em estreita comunhão com Deus; trazer companheirismo entre as igrejas, terceiro; e quarto, orar pelos enfermos. Esse é—esse é o nosso objetivo, nossa tentativa, é pecadores primeiro, o companheirismo e—com as igrejas e uma caminhada próxima com a igreja para Deus, e então orar pelos enfermos.

59-1123 - "Fala a Este Monte"

Nosso Senhor Jesus disse: “Não julgueis, para que não sejais julgados.” Todos conhecemos, como crentes na Mensagem do irmão Branham, o papel da igreja católica e a influência que ela exerce entre as denominações. Ela não é nada mais do que a Mãe das Prostitutas mencionada em Apocalipse 17.

No entanto, há mais de um bilhão de pessoas naquela igreja, e cada uma delas tem uma alma que vale dez mil mundos. Se pudermos fazer algo para levá-las a confiar no Senhor Jesus, ao invés de na igreja delas, então teremos estabelecido uma fundação sólida. Depois disso, podemos confiar que Deus dará o crescimento. Como fazemos isso? O irmão Branham disse: “A arma mais poderosa que existe no mundo é o amor.” Precisamos sempre mostrar amor.

Esta irmã teve a atitude correta em relação às pessoas da congregação católica, quando lhes mostrou a Pedra de Coroa: O amor. E isso fez a diferença!

O Senhor Jesus levou meu pai para o Lar em 28 de novembro. Em 4 de dezembro os familiares do meu pai, que são católicos devotos, me convidaram a participar de uma missa dedicada a meu pai. Pediram-me para cantar durante o culto, e concordei em ir. Muitos dos meus parentes evangélicos acharam absurdo eu aceitar este convite, mas aceitei! Entendi que essa era a maneira que minhas tias conheciam para expressar seu amor pelo meu pai. Elas estavam expressando o quanto o amavam.

Ouvi a missa inteira, e em seguida o padre, um cavalheiro muito gentil, pediu-me para ir ao altar. Então o padre me disse: “Bem-vinda ao nosso meio! Sinta-se à vontade para falar e cantar o que quiser.” Cantei um louvor chamado Terra Feliz: “Eu avisto uma Terra Feliz, onde irei para sempre morar...” Mas antes de cantar eu disse que gostaria de agradecer às minhas tias e ao padre por expressarem amor por meu pai, e entendia que aquela missa era a expressão de amor deles.

O padre disse que admirava como minha família é sincera em sua fé. Ele disse crer que meu pai foi salvo pela Graça de Deus, e não pelas obras que fez (contrárias à doutrina católica). Eu disse que estava feliz por ter sido convidada por eles para cantar. Disse várias palavras sinceras que vieram do meu coração e notei que todos os fiéis e o sacerdote estavam chorando, enxugando as lágrimas.

Depois que terminei de cantar, o padre me pediu um abraço (ele tem 80 anos). Deixei que ele me abraçasse. Quando me abraçou, ele disse chorando: “Jovem, é a primeira vez que me senti amado por alguém da sua fé. Suas palavras foram tão sinceras e sua música trouxe uma atmosfera especial dentro desta igreja. Trouxe-nos paz e alegria. Nem parece que você perdeu alguém que ama. Você tem muita paz!”

E repetiu estas palavras no microfone para toda a igreja ouvir. Depois disso, todos os membros fizeram uma enorme fila para me abraçar e cumprimentar. Todos naquela fila estavam chorando. Ouvi muitas palavras maravilhosas. Muitos me perguntaram que igreja eu frequento, e mais sobre minha doutrina. Todos disseram que nunca sentiram aquela atmosfera especial naquela igreja como foi naquela missa. Quero viver isso todos os dias de 2020! Que Deus me ajude!

Geisa Helena Alves de Lima

Brasil

Envie para um Amigo

Enviar